Monsoy apresenta evolução genética da lavoura de soja na Agrobrasília 2012

15/05/2012

Durante a feira agrícola, que acontece em Brasília (DF), marca apresentará o processo de evolução da genética Monsoy e do plantio de soja, com projeções de cultivo e mercado para até 2030

O agricultor que visitar a Agrobrasília 2012, que acontece a partir de hoje, até 19 de maio, no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci (BR 251), em Brasília (DF), vai ter a oportunidade de conhecer, no estande da Monsoy, a evolução genética das sementes de soja Monsoy, as formas de cultivos da cultura usados no Brasil nas últimas décadas e a utilização de recursos naturais na lavoura.

Durante a feira, a Monsoy apresentará um panorama da evolução da soja em três tempos: o passado (1990-1991), presente (2011-2012) e o futuro, com projeções para 2030. O agricultor terá um painel comparativo e o que esperar no futuro, com divulgações, informações e curiosidades sobre tecnologia, produtividade brasileira, ciclo, insetos-pragas, controle e prevenção de plantas daninhas, inseticidas utilizados, área, entre outros. “O crescimento da população urbana saltou de 110 milhões na década de 90 para quase 170 milhões em 2011. Mostraremos para os agricultores como a Monsoy vem acompanhando esse progresso e como estamos preparados com o melhor germoplasma e as melhores tecnologias no campo para o desenvolvimento de soluções sustentáveis que agreguem rentabilidade ao produtor”, comenta Eduardo Navarro, gerente Comercial da Monsoy.

Os sojicultores também poderão entender como era o cenário da produção na época em que o uso da biotecnologia convencional produzia apenas um saco de soja em 250m², comparando-o aos dias de hoje, onde a quantidade necessária é de apenas 143m², graças aos avanços da genética e da tecnologia. “No futuro, estimamos que este número chegue a 117m², devido ao alto grau de investimento e planejamento na cultura. Nossas projeções são as melhores em todos os níveis. A diminuição do ciclo atual de cultivo que é de 120 a 125 nos dias de hoje, passará para 110 a 115 nos próximos anos”, completa Navarro.

Com o avanço da produção brasileira no decorrer dos anos, devido às práticas adequadas de plantio e a utilização de práticas agronômicas corretas, a produtividade brasileira saiu dos 15,4 mil tolenadas para 75,4 mil toneladas nos dias atuais. “Antes, cada agricultor alimentava 33 brasileiros, hoje esse número subiu para 38. Temos uso ideal de manejo, o que possibilita o potencial aumento de produtividade. Com a evolução tecnológica constante de maquinários, pulverizadores, colheitadeiras e os meios de comunicação, as projeções para 2030 são de 140 sc/ha ante a 70 sc/ha na atual safra, considerando as tecnologias para soja disponíveis hoje no mercado”, relata Rafael de Toni, representante de Licenciamento de Monsoy.

Tecnologia a serviço do campo

A Tecnologia Roundup Ready® sempre foi o principal diferencial na área da biotecnologia da Monsoy, que confere tolerância da planta ao glifosato, um herbicida de baixa toxidade que combate as principais ervas daninhas que competem com a cultura. Esse ano, os agricultores poderão conhecer os diferenciais da tecnologia INTACTA RR2 PRO™, desenvolvida pela Monsanto e que reúne três soluções em um só produto: proteção às principais lagartas que atacam a cultura da soja; tolerância ao glifosato proporcionada pela tecnologia Roundup Ready®; e resultados de produtividade sem precedentes, devido a tecnologias avançadas no mapeamento, seleção e inserção de genes em regiões do DNA com potencial impacto positivo na produtividade. “A Monsoy é uma das marcas licenciadas para comercializar variedades com a tecnologia INTACTA RR2 PRO™ tão logo as aprovações nos países de destino das exportações brasileiras sejam obtidas pela companhia responsável pelo desenvolvimento dessa tecnologia”, explica Eduardo Navarro.

Preocupada em trazer soluções para a realidade dos sojicultores brasileiros, as pesquisas de novas variedades de soja são realizadas pelos times de Melhoramento de Soja e de Desenvolvimento Tecnológico da Monsanto nas estações de Rolândia (PR), Não-Me-Toque (RS), Morrinhos (GO), Sorriso (MT) e Porto Nacional (TO), regiões estratégicas para o cultivo da soja. A equipe de pesquisa da marca combina excelência acadêmica, inovação científica e experiência profissional, desenvolvendo cultivares capazes de se adaptar às mais diferentes condições de cultivo, gerando diversas soluções para diferentes sistemas de produção.